Dos 41 deputados da Assembleia Legislativa do Estado de Goiás (Alego), 20 foram eleitos para reassumir o mandato a partir de fevereiro de 2019. Do parlamentares eleitos em 2014, 28 disputaram reeleição no pleito de ontem. Considerando os deputados que estão no mandato atualmente, o número dos que tentaram reeleição sobe para 33. Isso porque, 5 deputados eleitos há quatro anos deixaram a Assembleia antes do final do mandato e seus suplentes tentam continuar na cadeira.

Porém, entre os “novatos”, muitos já são figuras conhecidas do meio político, como o ex-prefeito de Anápolis, Antônio Gomide (PT), o ex-vereador de Goiânia, Thiago Albernaz (SD) e os três vereadores da capital Delegado Eduardo Prado (PV), Cairo Salim (PROS) e Vinícius Cirqueira (PROS).

O deputado mais bem votado foi Henrique César, do PSC, com 46.545 votos, 1,51% dos votos válidos. Ele foi o único “novato” entre os cinco mais bem votados. Apesar de não ter mandato atualmente, ele é suplente de deputado e assumiu o posto entre abril de 2017 e janeiro de 2018.

Depois dele, também tiveram votações expressivas Jeferson Rodrigues (PRB), com 45.605 votos, Diego Sorgatto (PSD), com 41.362, Paulo Cézar Martins (MDB), com 40.970, e a delegada Adriana Accorsi (PT), com 39.283 votos.

O PSDB do atual governador José Eliton ainda terá a maior bancada da Assembleia no ano que vem, mas reduziu pela metade o número de parlamentares. A coligação do atual governo fez 8 cadeiras no total, sendo 6 delas do PSDB. Porém, o grande puxador de votos da eleição de 2014, deputado Mané Oliveira (PSDB), não conseguiu se reeleger. Se há quatro anos ele conquistou 62.655 votos, desta vez teve uma votação de 5.924.

Base aliada

A coligação que elegeu Ronaldo Caiado (DEM) governador de Goiás foi a que aglutinou o maior número de partidos, apesar de serem consideradas siglas pequenas.

Na próxima legislatura, a segunda maior bancada partidária será a do Democratas. A coligação do DEM elegeu 6 deputados, sendo 4 do DEM, um do PTC e um do PSC. A coligação de Podemos e PRP, partidos que também devem dar sustentação ao próximo governo, elegeu deputados apenas deste último partido: Major Araújo e Amauri Ribeiro. Considerando as legendas que fizeram parte da coligação que elegeu Caiado, o próximo governador deverá contar também com apoio do PROS, que fez 3 deputados, do DC, que elegeu 2, do PSL, que também elegeu 2, PRTB com 2, PDT com 1 e PTC com 1, somando uma bancada inicial de 19.

O MDB também viu sua bancada diminuir de 5 eleitos em 2014 para 3 em 2018. Da mesma forma, o PT que elegeu 4 parlamentares há quatro anos, conseguiu apenas dois em 2018.

Veja abaixo a lista com a nova configuração da Assembleia a partir de 1° de janeiro de 2019:

Henrique César (PSC)
Jeferson Rodrigues (PRB)
Diego Sorgatto (PSDB)
Paulo Cezar Martins (MDB)
Delegada Adriana Accorsi (PT)
Dr. Helio de Sousa (PSDB)
Major Araujo (PRP)
Lissauer Vieira (PSB)
Chico Kgl (DEM)
Antônio Gomide (PT)
Claudio Meirelles (PTC)
Talles Barreto (PSDB)
Lêda Borges (PSDB)
Bruno Peixoto (MDB)
Humberto Aidar
Tião Caroço
Alysson Lima (PRB)
Virmondes Cruvinel (PPS)
Wilde Cambão (PSD)
Gustavo Sebba (PSDB)
Rubens Marques (PROS)
Delegado Humberto Teófilo (PSL)
Dr. Antônio (DEM)
Iso Moreira (DEM)
Amauri Ribeiro (PRP)
Lucas Calil (PSD)
Álvaro Guimarães (DEM)
Rafael Gouveia (DC)
Delegado Eduardo Prado (PV)
Henrique Arantes (PTB)
Zé Carapô (DC)
Charles Bento (PRTB)
Cairo Salim (PROS)
Viníciuis Cirqueira (PROS)
Paulo Trabalho (PSL)
Amilton Filho (SD)
Karlos Cabral (PDT)
Thiago Albernaz (SD)
Wagner Neto (Patriota)
Julio Pina (PRTB)
Coronel Adailton (PP)